31 de dez de 2009

Dois mil e nove

Mais uma vez finda-se um ano e mais uma vez o mundo inteiro revolve os pensamentos para a paz, o amor, a felicidade, fraternidade e solidariedade, que muitas das vezes não passam de serem apenas palavras comuns ditas em todos os fins de ano.
Mas não é minha intenção aqui falar dessas coisas, mas do que significou dois mil e nove para mim.
Olhando para trás eu posso ver uma menina cheia de sonhos e planos para dois mil e nove. Suas esperanças estavam quase se esgotando e os seus poços de lágrimas quase secando. Mas, como a terra seca se ensopa ao receber a chuva,  as reservas de esperanças foram supridas e os poços agora já se enchiam novamente.
Por mais desesperadora que fosse a espera por suas realizações, a chegada de mais um ano fazia surgir no solo rachado do seu coração, poças repletas d’água que faziam a pobre menina sonhadora se encher de novas forças.
Ela confiou tudo ao mestre de sua vida e mais uma vez esperou. Esperou com toda sua confiança. Aproveitou bem a chuva.
Era tudo ou nada.
Pois então o mestre não a desapontou, deu tudo à pobre menina.
Ahh, como foi gratificante aquela espera! Aquele momento de sua vida se chamava felicidade...
Dois mil e nove começava muito bem!
Aliás, começava melhor do que todos os outros anos. Não esperava que seria tão melhor do que ela imaginava.
O mestre já tinha planejado cada detalhe...cada "improviso" já tinha sido dado.
Saltitante de felicidade, aquela menina não tinha palavras para agradecer.
E os meses correram feito as presas que correm para não serem alcançadas pelo devorador.
Foram muitas dificuldades enfrentadas e, ainda bem, cada uma vencida!
A menina riu, chorou, lutou contra saudades e conquistou amizades. No final de dois mil e nove e de mais de duas mil e nove coisas, ela sentou-se tranquila debaixo de uma árvore para repousar sobre a sombra que se fazia ali, e dar as boas vindas para dois mil e dez que já se aproximava.
Relembrando, alí debaixo daquela árvore, momentos de dois mil e nove, ainda não sabia se era uma  menina com alma de mulher ou uma mulher com alma de menina. O que sabia é que não era mais feita das mesmas coisas de quando tinha começado. Sabia agora, que contos de fadas não existem, que os momentos são únicos para serem desperdiçados, que o sorriso vem quando o sol brilha pela manhã e compreendia que, no vale da sombra e da morte, não estava sozinha e nem nunca estaria se passasse por lá novamente ( e sabia que vai passar). Ela tambem sabe que o maior e melhor tesouro não está nesse mundo, mas acima dele e, deseja, mais do que todos os seus lindos sonhos de menina, ver com seus belos olhos o que é vital.
Depois do repouso aquela mulher ou menina (ainda tenho dúvidas) saiu a cantarolar as velhas cantigas de que mais gostava. Saiu ao encontro de mais um ano, pois tem a certeza de que irá aproveitar todos os dias que serão dados a ela. Sem vergonha de chorar, rir, cantar, amar, fazer birra, tropeçar e de fazer da queda um passo de dança.
                                                                                   
“ E no final das contas não são os anos em sua vida que conta. É a vida nos seus anos.”  Abraham Lincoln
By Jessica

17 de dez de 2009

De flor e de aço.


Um alguém delicado
Ser improvável
de pura seda, de amável frescor.
Porque sou de flor.

E se fere-me com meus próprios espinhos
e atreve-se a me machucar com mãos dilacerantes
murchar não será o próximo passo.
Porque sou de aço.

Meus olhos não deterão as lágrimas.
E os teus não contemplarão o sorriso.
Sorriso doce, boca de mel.
Abelha má, coração de fel.

Mas se a lágrima mata o sorriso e revertem os sentidos
Despejo a melancolia.
Acolho a razão.
O coração bate forte no compasso da finita ilusão.

Porque sou de flor.
Porque sou de aço.
Contraste audacioso.
Mulher em sua magnitude.

Aos meus queridos amigos.

“Pode ser que um dia deixemos de nos falar... Mas, enquanto houver amizade, Faremos as pazes de novo. Pode ser que um dia o tempo passe... Mas, se a amizade permanecer, Um de outro se há-de lembrar. Pode ser que um dia nos afastemos... Mas, se formos amigos de verdade, A amizade nos reaproximará. Pode ser que um dia não mais existamos... Mas, se ainda sobrar amizade, nasceremos de novo, um para o outro. Pode ser que um dia tudo acabe... Mas, com a amizade construiremos tudo novamente, cada vez de forma diferente. Sendo único e inesquecível cada momento que juntos viveremos e nos lembraremos para sempre. Há duas formas para viver a sua vida: Uma é acreditar que não existe milagre. A outra é acreditar que todas as coisas são um milagre.”
Faço das palavras de Albert Einstein as minhas, com o intento de homenageá-los, apesar de saber que palavra nenhuma consegue realizar tal finalidade, pois são mais do que especiais para mim!
Eu acredito que vocês são um milagre em minha vida e agradeço muito a Deus por ter todos vocês como verdadeiros amigos.
Amo todos vocês!

5 de dez de 2009

Um tempo de birra…

Sabe aquelas coisas que acontecem na vida da gente que nos deixam de birra?
Aquelas que a gente não entende o porque de está acontecendo conosco e que a gente teima pra vencer? Pois é.
Esses momentos são tãão chatos!
=/
E são ainda mais chatos porque são necessários!
Agente não entende o porque e acha que nada daquilo deveria está acontecendo. Nos perguntamos tanto porque temos que sofrer e a resposta não chega.
Mas porque achamos que tudo tem que ser perfeito? Nem nós mesmos somos!
Nesses momentos em que a tristeza bate no coração e que agente fica de birra com a vida, as lutas parecem nos vencer por um instante e acabamos por no esquecer que existe alguém perfeito e disposto a nos ajudar. Ele pode vencer nossas lutas! E mesmo que a luta seja perdida e a gente continui sem entender, nossos olhos verão que os planos de Deus são os melhores, demore o tempo que for.

Quando eu olho para trás e vejo tudo o que passei e das provações que tive, lembro que nunca fui deixada pra lutar sozinha, mas que Deus sempre estava no campo de batalha.
Tô de birra por um tempo, mas eu sei que Deus não me prometeu um fardo leve e nem que seria fácil trilhar o seu caminho, mas ele me prometeu que sua mão sempre estaria me guiando.
Por isso eu escolhi estar do lado dele, seja qual for a circunstância que esteja vivevendo: dando gargalhadas ou de birra com a vida.
A birra sempre passa. E no final a criança sempre leva o doce pra casa!!

P.S  Se eu não levar o doce o importante é que a birra sempre passa!